quarta-feira, 8 de julho de 2009

Dia dos Namorados



Ele comprou as alianças. Escolheu um par de ouro branco. Sabia que era o que ela gostava. Amava-a como nunca, um amor que desabrochou nos últimos dias, de um jeito que ele jamais provara. Feliz da vida, embrulhou o presente com cuidado. E nessa hora teve a idéia. Iria assustá-la. Antes do grande pedido, um bom susto para que a surpresa ficasse ainda melhor. Terminaria tudo para depois revelar a brincadeira. Seria perfeito.

Esperou pela noite. Iriam se ver no local do primeiro encontro. Arrumou-se, guardou as alianças no bolso do casaco e saiu, sem conseguir disfarçar o sorriso.

Chegou ao bar, escolheu a mesma mesa da primeira vez. Minutos depois ela entrou, linda num vestido azul, talvez um pouco leve para o friozinho de junho. Beijou-a e esperou que se sentasse. Conversaram sobre acontecimentos recentes. Ele pediu um vinho, deixou-a tomar um pouco. Resolveu começar:

- Sabe, eu tenho um assunto meio desagradável para tratar...

- Sem rodeios, vá lá!

- Pois bem. Há dias venho querendo lhe dizer. Não consigo mais sentir a mesma coisa por você. Algo em mim mudou, não sou mais o mesmo, fico estranho ao seu lado.

- Sério?

- Sim. Passei a ver tudo com outros olhos. O nosso relacionamento. Não é aquilo que eu esperava, minhas expectativas eram outras. O que você acha?

- Eu me sinto aliviada. Não sabia como falar contigo, mas acho que você pode ser um bom amigo, não um namorado. Eu queria terminar, porém não sabia como fazê-lo sem te magoar...

Ele emudeceu. Podia ouvir o próprio coração.

- Ah... Bem... É... É isso... Melhor preservarmos uma bela amizade... A conta, garçom, por favor!

Despediu-se dela com um beijo no rosto. Não conseguia colocar a mão no bolso onde estavam as alianças, como se elas fossem escorpiões.

Andou a noite toda. Na manhã seguinte, odiando o mundo, vendeu os anéis a um “Compro Ouro” por um terço do que pagou. Gastou o dinheiro numa boate, com uma vodka barata e uma moça de nome Ábata, cujo passado ele preferiu não saber. Casou-se oito anos depois, mais por teimosia do que por amor.


7 comentários:

antoniopimenta disse...

Muito bacana o seu blog!

Ficarei muito feliz se vc der uma visita no meu tbm!

http://antoniopimenta.blogspot.com/

Abraços

:D

Diogo S. Moraes disse...

oi priminha :D
aaahhh..q maldade com o cara...ahhaahah...isso é coisa q vc fez no curso?
fiquei com peninha do cara..mas va la ne...qm mandou ficar inventando coisa...hehehehe
bjones

Ana Lucia Nicolau disse...

é...na vida real essasituação acontece muito mais do que podemos imaginar....

PCN disse...

É, esse se ferrou... Que triste!
Mas a vida infelizmente é assim =/

Visite meu blog se quiser:
Papéis Riscados
&
Meu Twitter
.
Visitem e não caloteiem!

Ailton Sobrinho disse...

O cara se deu mal... Diria que ele procurou e achou... Jamais me veria passando por essa situação. Deusolivre

Roberta disse...

Fikei arrepiada ao fim do post.
Karina, muito bom!
Nossa, deu aflicão... mas quem mandou fazer uma brincadeira dessas? Eu jamais acharia bacana, ainda que o cara me pedisse em casamento depois. Acho q dava um soco! Bem, como dizem, fala o que quer, ouve o que não quer. Bastante triste, nossa.
Bjks
Ro

Maria Cláudia disse...

heuehu! Que barato este texto o final dele me deixou de queixo caído!
haha
Muito bom, tava com saudsades de ler seus textos!

Beijos